TRUMP SUGERE QUE PODE REVOGAR SANÇÕES À RÚSSIA E REVER "UMA CHINA SÓ"

  • Don Emmert and Natalia Kolesnikova/AFP
    Trump (e) disse que pretende se encontrar com o presidente russo (d) após a posse
    Trump (e) disse que pretende se encontrar com o presidente russo (d) após a posse

Trump sugere que pode revogar sanções à Rússia e rever "uma China só"

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, sugeriu que pode retirar as sanções sobre a Rússia e que não respeitará a política de "uma só China", que não reconhece a independência de Taiwan, a menos que Pequim melhore suas políticas comerciais e cambiais.
Em declarações ao Wall Street Journal (WSJ), em uma entrevista publicada na sexta-feira, Trump afirma que manterá intactas, "pelo menos por um tempo", as sanções impostas no mês passado pela administração de Barack Obama em razão dos ataques cibernéticos russos para influenciar a eleição presidencial dos Estados Unidos. Obama também ordenou a expulsão do país de 35 diplomatas russos e de suas famílias.
Mas se a Rússia ajudar os EUA em objetivos específicos, como na luta contra os jihadistas, Trump sugeriu que poderia anular essas medidas. "Se nos dermos bem com a Rússia e se realmente nos ajudarem, por que manter as sanções se estão fazendo coisas realmente boas?", questionou.
Além disso, ele garantiu que está pronto para encontrar com o presidente russo, Vladimir Putin, depois de sua posse em 20 de janeiro. "Me parece que eles gostariam de se reunir, e isto seria bom", disse.
Ao mesmo tempo, o Comitê de Inteligência do Senado dos EUA avisou que vai investigar a suposta espionagem nas eleições, incluindo "qualquer vínculo entre a Rússia e indivíduos associados com campanhas políticas", diz texto assinado pelo presidente e o vice-presidente do comitê, o republicano Richard Burr e o democrata Mark Warner. 
Os senadores vão investigar "a atividade cibernética russa e outras 'medidas ativas' dirigidas contra os EUA, tanto no que se diz respeito à eleição de 2016, como em um todo".  
A comissão bipartidária realizará suas reuniões a portas fechadas e fará dois relatórios com as conclusões. Para isso, vão interrogar funcionários das administrações de Obama e Trump. 

"Uma só China"


Quanto à posição americana de não reconhecer Taiwan diplomaticamente, Trump disse: "Tudo é negociável, incluindo a política de uma só China".  
O presidente eleito exigiu como condição para manter esta política que o governo chinês mostre mudanças em suas políticas monetárias e de comércio.
Trump iniciou em dezembro uma crise diplomática entre EUA e China ao conversar por telefone com a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen. Este foi o primeiro contato em tal nível desde 1979.
"No ano passado vendemos a Taiwan equipamento militar no valor de US$ 2 bilhões. Podemos vender US$ 2 bilhões em equipamento militar, mas não estamos autorizados a aceitar um telefonema. Antes de tudo, teria sido rude não aceitar esta chamada", disse na entrevista.
Pequim considera a ilha de Taiwan como uma província separatista que deve retornar ao seu controle, pela força se necessário.
Trump ameaçou reagir duramente às práticas comerciais chinesas, que considera abusivas. (Com agências internacionais)
Fonte:https://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/internacional/2017/01/14/trump-sugere-que-pode-revogar-sancoes-a-russia-e-rever-uma-china-so.htm

Postagens mais visitadas deste blog

RÚSSIA E CHINA ESTÃO JUNTOS NA SÍRIA

INTOLERÂNCIA,RACISMO ÀS CLARAS E FUZIS À MOSTRA : O QUE VI(E SENTI) NO MAIOR PROTESTO MOVIDO PELO ÓDIO EM DÉCADAS NOS EUA

BRASIL ABANDONOU LIDERANÇA DA AMÉRICA DO SUL PARA SE ALINHAR AOS EUA,DIZ PESQUISADORA