ACIDENTE AÉREO EM SANTOS-BRASIL PREPARA BOMBA SEMIÓTICA SINCROMÍSTICA

Acidente aéreo em Santos prepara bomba semiótica sincromística

O trágico acidente aéreo em Santos que vitimou o candidato à presidência da República Eduardo Campos reacende por caminhos mórbidos a esperança da grande mídia, com a pressão uníssona de que Marina Silva assuma a candidatura. O timing da tragédia foi perfeito, num momento em que já estava esgotado o arsenal de bombas semióticas midiáticas – a última foi a irrelevância da não-notícia da “fraude da Wikipédia”. Mais do que que levantar teorias conspiratórias, as sincronias e coincidências que cercaram o acidente, somado a uma espécie de discurso do “destino manifesto”, do “imponderável” e do “destino”, estão ajudando a preparar a talvez derradeira bomba semiótica, dessa vez sincromística porque utiliza como matéria-prima a simbologia arquetípica do “Mágico”, baseado em estratégia domundo do Marketing e da Publicidade que manipula arquétipos do inconsciente coletivo para a criação da imagem de marcas, produtos e serviços.

Teorias da conspiração não surgem por acaso. É por ser a realidade estranhamente sincrônica que acaba sugerindo a suspeita de eventos milimetricamente maquinados, como no caso da trágica morte do candidato à presidência da República Eduardo Campos em um acidente aéreo na cidade de Santos-SP no último dia 13.

Logo após o incidente, redes sociais e grande mídia se apressaram a fazer um mórbido inventário de “coincidências”: Eduardo Campos morreu no mesmo dia que o seu avô Miguel Arraes; o DDD de Santos é o mesmo do dia da tragédia (13) que, por sua vez, é o mesmo número que identifica o PT nas eleições; a soma das letras do candidato morto soma 13; o acidente aéreo ocorre pouco tempo depois da denúncia envolvendo o candidato Aécio Neves sobre um aeroporto construído com dinheiro público ao lado de fazenda da sua família; em 2006, também no período de eleições presidenciais, ocorreu o acidente aéreo do choque do Boeing da Gol com um jato Legacy matando 154 pessoas; o acidente aéreo de Santos se soma a uma sequência de acidentes como o desaparecimento do Boeing da Malaysian Airlines no Oceano Pacífico (ou teria sido no Índico?), a queda de outro Malaysian na Ucrânia e uma mais recente de um Boeing na África...


Mas parece que ainda poucos estão vendo a maior de todas coincidências, uma feliz surpresa para uma grande mídia politicamente combalida: o acidente aéreo vitima um candidato de oposição ao Governo Federal no momento em que o arsenal das bombas semióticas já tinha se esgotado, como pudemos diagnosticar em postagens anteriores.

Como vimos, a últimas arma foi a da não-notícia, detonada com a denúncia da suposta fraude da CPI da Petrobrás (a hilária descoberta que existe media training nas corporações) e a denúncia reduzida a pó de traque da “fraude dos perfis da Wikipédia”. Era evidente que essa última arma era a mais frágil de todas que foram detonadas desde as grandes manifestações de rua de junho do ano passado. A repercussão dessas últimas explosões teve fôlego curto, pela própria natureza de irrelevância da matéria-prima dessas bombas.

Grande mídia: do desânimo à euforia



Esse desânimo ficava claro nas hostes dos intelectuais orgânicos da oposição como o historiador Marco Antonio Villa. Se em maio no Jornal O Globo, Villa declarava “Adeus, PT” onde comemorava “a derrota do PT e a implosão do seu bloco político”, em julho, desiludido com a performance de Aécio Neves e o êxito da Copa do Mundo, falava no mesmo jornal em “desilusão com a política”, o “notório sentimento popular de cansaço” e o “voto como ato inútil, que nada muda”.

Pois em meio ao desânimo frente a um contínuo midiático que começava a se tornar opaco e resistente às ondas de choque das últimas bombas semióticas, eis que inesperadamente um jato com alta tecnologia aeronáutica pilotado por profissionais experientes inexplicavelmente mergulha precisamente no único espaço aberto em quarteirão de um bairro populoso de Santos, trazendo no seu interior um candidato à corrida presidencial.

Em questão de poucas horas o mercado financeiro demonstrou todo o seu insensível pragmatismo: com a apreensão de que a vice de Eduardo Campos, Marina Silva, estivesse também na aeronave as perdas do início do pregão da BM&FBovespa se aprofundaram. Quando o mercado soube que ela não estava no voo os índices voltaram a subir, sinalizando aquilo que a grande mídia já começava a repercutir – o mercado financeiro quer Marina Silva para reduzir a incerteza sobre uma possível vitória da Dilma no primeiro turno.

Do desânimo e incertezas a grande mídia pulou imediatamente para a euforia especulativa. Marco Antonio Villa, por exemplo, em poucas horas já tinha superado seu niilismo político: “são duas campanhas... a que começa hoje apresenta um quadro absolutamente imprevisível!”.

Wishful thinking da grande mídia

Para a Folha, eleição é a ˜sucessão presidencial"

O Jornal O Estado de São Paulo já declarava que “Morte de Campos embaralha a eleição e Marina é tratada por sucessora natural” – tratada por “lideranças”, diz o jornal.  Já a Folha foi mais direta com a manchete “adversários se preparam para enfrentar Marina Silva” e com um pequeno wishful thinking com o título “mudança de rumo na SUCESSÃO presidencial”. O jornal abandona o termo “eleições” ou “corrida presidencial” para usar uma expressão que sugere o desejo de mudança de ocupante do Palácio do Planalto.

“Eleição imprevisível”, “acirrar a eleição”, “reviravolta se Marina enfrentar a disputa”: uma hora depois da confirmação da morte de Eduardo Campos o clima midiático era radicalmente diferente, com sofresse um choque de adrenalina e otimismo.

O curioso é que as análises de conjuntura política instantânea dos analistas veio acompanhada de expressões etéreas como “o imponderável”, “rasteira do destino”, “o impacto do acaso” etc. Nessas análises de conjuntura política e econômica tão instantâneas (analistas econômicos já falam em “cenário-base com Marina Silva”), somente uma causa tão imaterial para explicar um efeito tão poderoso e a decisão uníssona da grande mídia e mercados financeiros: Marina Silva precisa substituir Eduardo Campos.

A bomba semiótica sincromística


Portanto, estamos acompanhando nesse momento o início da montagem de uma nova bomba semiótica, dessa vez mais poderosa que a das não-notícias. Uma bomba baseada num processo de semiotização a partir de um forte signo-arquétipo: o arquétipo do Mágico. Assim como as cartas de Tarot onde cada figura corresponde a um aspecto arquetípico do psiquismo humano, a figura de Marina Silva começa a ser construída pela grande mídia associada ao “destino”, “acaso”, “coincidências” (ela deveria estar naquele voo, mas preferiu na última hora viajar em outro avião) etc., conceitos tão etéreos quanto a causalidade da súbita mudança de humores midiáticos.

Tomando o conceito de arquétipo da psicologia profunda de Jung (arquétipo como símbolo do inconsciente coletivo), Carol Pearson, PhD em Psicologia e professora em Estudos sobre Liderança da Maryland University nos EUA vai encontrar, a partir dos estudos da simbologia arquetípica, doze modelos de simbologia inconsciente que, segundo ela, motivariam a espécie humana: Inocente, Explorador, Sábio, Herói, Fora-da-Lei, Mágico, Normal, Amante, Palhaço, Protetor, Criador, Poderoso. A princípio voltado para servir de ferramenta para táticas de engenharia organizacional, chega ao mundo do Marketing e da Publicidade como estratégia de criação da imagem de marcas, produtos e serviços - leia PEARSON, Carol. Awakening the Heroes Within: Twelve Archetypes That Help Us Find Ourselves and Transform our World, Harper SanFrancisco, 1991; e The Hero and the Outlaw: Building Extraordinary Brands Through The Power of Archetypes, McGraw-Hill, 2001.

O Mágico no Tarot é o arcano da Mística, do concentrado, do impulso criado. Está associado a experiências extra-sensoriais, coincidências e sincronicidades – momentos mágicos de experiências de transformação.

Uma semiótica de Marina Silva


A grande mídia não só pressiona para que Marina Silva assuma a candidatura do PSB como já está construindo uma imagem mística e mágica da personagem, encaixando-a no personagem arquetípico do Mágico. E a imagem atual de Marina favorece isso: enquanto Dilma possui uma imagem “dura”(tecnocrática e gestora) e Aécio é “soft” (playboy ebon vivant), Marina Silva é “orgânica” – amiga pessoal do mito trágico Chico Mendes, ambientalista e evangélica.

Marina foi salva pelo destino por uma coincidência. Esse é o primeiro passo para a construção do signo-arquétipo do mágico para depois ser construída a mitologia: o destino manifesto, experiências de transformação a partir de imprevistos, milagres e o desenvolvimento de uma “visão”.

Por isso Marina Silva, com a sua Rede Sustentabilidade, é a queridinha do meio corporativo e financeiro, que também constrói a sua própria mitologia com o mesmo signo-arquétipo do mágico – como, por exemplo, nos discursos da “visão” e “missão” que as organizações criam no seu próprio endomarketing.

Em si mesmo o conceito de sustentabilidade é tão mágico e etéreo como uma pedra filosofal, mas uma ideia motivadora para a linguagem corporativa cheia de eufemismos e linguagem indireta que esconde intenções mais pragmáticas e concretas.

Projeto Pipoca da TV Globo:
reprodução de bagres é mais
importante do que o
crescimento econômico?
Quando vemos coisas como o Projeto Pipoca da TV Globo (levar cinema gratuito para comunidades periféricas) programando filmes como Tainá e Xingu, pressente-se uma estratégia abrangente de condicionamento de uma nova sensibilidade que ache mais importante a proteção da reprodução dos bagres do que a construção de uma usina hidrelétrica que impulsione o desenvolvimento econômico nacional.

O discurso místico-ecológico-sustentável


Essa é a origem de toda a atual mórbida excitação midiática e corporativa com a morte de Eduardo Campos: o discurso místico-ecológico-sustentável é o Plano B do neoliberalismo dos mercados financeiros.

E por que os mercados financeiros caem de amores por esse discurso mágico? Por que Marina Silva reacende as esperanças da oposição e dos mercados financeiros? Ódio de classe contra o chamado “lulopetismo”? A oposição política certamente, mas os mercados são muito pragmáticos para alimentar rixas ideológicas: o discurso ecológico é a piece de resistance do neoliberalismo  por ser o instrumento para frear o crescimento econômico e manter a hegemonia da agenda da financeirização global.

A assessoria de Marina Silva é formada por economistas que pregam a austeridade e baixo crescimento econômico como um fim em si mesmo sob o álibi do discurso ambientalista. Para o mercado financeiro, todas as fontes naturais ou humanas devem ser escassas para se transformarem em comodities e serem especuladas. O discurso ambientalista somado ao neo-pentecostalismo pré-luterano de Marina Silva são a combinação perfeita entre as expectativas da banca e a moralidade da penúria como um valor em si mesmo de virtude e salvação.


Por isso, o acidente aéreo de Santos é a preparação de uma bomba semiótica sincromística: detonar na opinião público uma espécie de destino manifesto de uma candidata, envolta por uma aura de magia e misticismo – uma estranho mix de sincronismo e coincidências com neopentecostalismo e ambientalismo. É o signo-arquétipo do Mágico, a matéria-prima da mais nova bomba simbólica disparada contra a opinião pública.

Fonte:http://cinegnose.blogspot.com.br/2014/08/

Postagens mais visitadas deste blog

RÚSSIA E CHINA ESTÃO JUNTOS NA SÍRIA

INTOLERÂNCIA,RACISMO ÀS CLARAS E FUZIS À MOSTRA : O QUE VI(E SENTI) NO MAIOR PROTESTO MOVIDO PELO ÓDIO EM DÉCADAS NOS EUA

BRASIL ABANDONOU LIDERANÇA DA AMÉRICA DO SUL PARA SE ALINHAR AOS EUA,DIZ PESQUISADORA